2008-12-02

O Caminho Que Leva ao Equilíbrio

Fico impressionado com as soluções que se pode encontrar ao percorrer um caminho.

A imagem de que, primeiramente, tenho lembrança, é a de um homem sentado, pensando. Concordo com o fato de que, para se chegar a uma conclusão sobre um determinado assunto, pode ser ideal (para abstrair).
Já quando se precisa contar com a intuição, percorrer um caminho pode ser mais produtivo.

Todas as manhãs, quando vou para o trabalho, percorro um trajeto que leva aproximadamente vinte minutos (é uma subida que tem um nome sugestivo).
Quando saio de casa, estou ansioso para começar o dia, apreensivo com o que pode ocorrer, e cheio de dúvidas de como deveria proceder.

Durante o trajeto observo as pessoas se deslocando. Imagino seus destinos, e lembro que tiveram uma preparação semelhante a minha antes de sair de casa.

Percebo que os mais jovens são mais alegres (sorrisos), andam em duplas ou em grupos, ou ainda ouvindo música (muito usam fones de ouvido).

O mesmo não acontece com os de meia idade e os mais idosos.
Apesar de, a meu ver, poder dispor de uma situação relativamente melhor do que os mais jovens, não me parecem agir de forma semelhante. O rosto não estampa um sorriso, o olhar não tem o mesmo brilho e, geralmente, se deslocam sozinhos.
Quando em dupla ou em grupo reclamam de algo (que não podem mudar).

Ao final do caminho estou diferente. Meus anseios, minhas dúvidas e uma inconveniente indisposição ainda existem, só que em tamanho e intensidade quase insignificantes.

Provavelmente seja intuitivo, mas o resultado é que me vejo em estado de equilíbrio.


Equilíbrio para dizer “bom dia”, para começar a trabalhar, e para interagir com as pessoas.
Freqüentemente, ao final da subida, digo: Vai ser um bom dia.

É assim que aproveito o caminho.

E você?

Já se sentiu melhor após percorrer algum caminho?



5 comentários:

Deka Silva disse...

Tenho tentado que todos os meus caminhos sejam bons e que me façam sentir melhor...
Não é fácil mas não é impossível.
Um beijo.

Ellen Regina - facetasdemim disse...

Eu me inspiro muito mais na rua, vendo as pessoas, os acontecimentos do que em casa ou só ouvindo as notícias.

Ficar sozinho de vez em quando também é bom. Ajuda a "arrumar a casa"

Mariana disse...

Na verdade,sempre me ferros nos caminhos....

sempre

http://agitadinhaunderground.zip.net/

ideiasquetenho disse...

Sabe que eu tambem faço isso..acho que sou o Jovem, as vezes com fone, as vezes não.. Vou até o ponto sózinho.. mas volto em grupo ... E penso no que farei.. como sera, o que posso fazer de bom, rotina...
Bom post ;)


Luis - http://ideiasquetenho.blogspot.com

┼ Ģℓэн εïз єяเkล! ┼ disse...

Quando somos mais jovens, temos mais disposição mesmo para descobrir novos mundos.
Quando envelhecemos, a experiência parece que tira um pouco de certas disposições.
Acho que me sinto melhor a cada caminho que percorro, seja ele bom (que me proporcione uma ótima lembrança depois), ou ruím (mas que me proporcione uma experiência sobre aquilo mais tarde).
E a vida é assim ...
Caminhando...
Equilibrando...